Cirurgias

Clique nos itens abaixo para mais detalhes.
Cirurgia de Catarata
Tire suas dúvidas sobre a cirurgia de catarata:

1. O que é?

A catarata é um turvamento progressivo do cristalino ou seja perda da transparência da lente natural do olho que irá   interferir na absorção da luz que chega à retina. O cristalino é responsável pela focalização da visão para longe e para perto. Com catarata ou com a opacificação do cristalino levará a diminuição progressiva da visão. Considerada a maior causa de cegueira do mundo. Não existem medicamentos que possam reverter a catarata, a melhor solução é a cirurgia.

Catarata senil ou pré-senil

Nesses casos é comum o aparecimento da catarata em ambos os olhos, porém normalmente em estágios diferentes de evolução. O tratamento é cirúrgico, porém a época de sua realização dependerá da acuidade visual, bem como da avaliação do médico oftalmologista. O momento da realização da cirurgia também deverá ser compartilhado com o paciente.

Cataratas Congênitas

São as cataratas que aparecem ao nascimento e são causadas devido a problemas durante a gestação, como infecções intra-uterinas (rubéola, sarampo, sífilis) ou genéticas (transmitida de pais para filhos). Muitas vezes as cataratas congênitas não são descobertas logo ao nascimento, a não ser que seja realizado um exame ocular precoce. A cirurgia nestes casos deve ser realizada o quanto antes, a fim de permitir recuperação da função visual.


2. Causas

As principais causas do surgimento da catarata são:
  • Idade, é a causa mais freqüente da doença
  • Conseqüência do diabetes;
  • Conseqüência do uso indiscriminado e sem orientação médica, de colírios com corticosteroide
  • Traumatismos oculares;
  • Radiação;
  • Infecções nos olhos;
  • Uveítes.

3. Quais são os sintomas?

Um dos primeiros sintomas da catarata é o distúrbio na visão de cores, depois a própria capacidade visual fica diminuída, levando a situações avançadas até a cegueira. Cegueira reversível pela cirurgia de catarata.

Existe uma idade para ter catarata?

Não. A catarata mais comum é a senil, que aparece por volta dos 60 anos, mas nada impede de um paciente mais jovem ter a doença. Existem ainda as cataratas congênitas, as quais aparecem ao nascimento e as relacionadas a doenças sistêmicas, como diabetes.


Cirurgia

Como é feita a cirurgia (retirada) da catarata?

A cirurgia de catarata é realizada através de microincisões nos olhos (em média 1,75mm), pelas quais retiramos o cristalino opaco com a ajuda de um aparelho de Facoemulsificação e colocamos uma lente intra-ocular no lugar da catarata removida. A catarata é uma cirurgia segura, com pequena incidência de complicações.Esta cirurgia pode ser realizada por meio de duas técnicas:

  • Facoemulsificação - Com a facoemulsificação, retira-se a catarata por uma abertura menor que 3 mm e se coloca uma lente dobrável dentro do saco capsular, sem ampliar a incisão. A recuperação da visão após a cirurgia de catarata é rápida e o paciente retorna ao trabalho em poucos dias.
  • Extracapsular - Nesta técnica é realizada uma abertura de 710mm no olho para a retirada da catarata. Depois é colocado um implante de metilmetacrilato, que é um plástico rígido.
É necessário implantar uma lente na cirurgia de catarata?

Sim. Quando retiramos o cristalino precisamos colocar uma lente intra-ocular no lugar para dar o “grau” dos olhos.

Como é feita a anestesia em uma cirurgia de catarata?

A anestesia é tópica, ou seja, com colírios e anestésicos intra-oculares. Juntamente com a anestesia, existe a possibilidade de sedação do paciente.

Para a cirurgia de catarata precisa ficar internado?

Não. Pode-se usar o “Day-Use”. Interna, opera, e tem alta no mesmo dia.

Como é a recuperação após a cirurgia de catarata?

A recuperação vai depender de cada paciente. Cada pessoa tem um tipo de catarata e um tipo de olho, mas em geral, após uma semana a maioria dos pacientes já consegue voltar, aos poucos, as suas atividades diárias, e ao final de 30-45 dias, estão com os olhos bem recuperados da cirurgia.

É possível corrigir o grau dos óculos com a cirurgia de catarata?

Sim. Quando colocamos a lente intra-ocular é corrigido o grau do paciente também.

Existem muitos tipos de lentes intra-oculares?

Sim. Podendo ser rígidas ou dobráveis. Existem basicamente as lentes monofocais (esféricas e asféricas), multifocais, tóricas e multi-tóricas.

Pode operar os dois olhos no mesmo dia?

Não é recomendado operar os dois olhos no mesmo dia por tratar-se de uma cirurgia intra-ocular e existir a chance de infecções.

Quanto tempo dura a cirurgia de catarata?

A cirurgia é rápida, durando em média 20 a 30 minutos.

Quais os cuidados no pós-operatório?

Basicamente não realizar esforço físico. Não abaixar e levantar a cabeça abruptamente, não dormir do lado do olho operado, e o mais importante de tudo, usar os colírios do pós-operatório conforme a orientação médica para evitar infecções.

É necessário se afastar do trabalho?

É recomendável deixar alguns dias de pós-operatório, principalmente pela posologia dos colírios na primeira semana, que é mais intensa.

A lente intra-ocular pode ser rejeitada pelo olho? Pode ser trocada?

As lentes intra-oculares já são feitas para não haver rejeição. Não há necessidade de troca ao longo da vida, por isso a importância de colocar uma lente de boa qualidade. Caso seja necessário por algum motivo realizar uma troca de lente intraocular, é necessário que se faça outra cirurgia.

Posso usar maquiagem antes e após a cirurgia?

Não é recomendável usar maquiagem no pré e pós-operatório imediato.

Pode-se frequentar mar e piscina após quantos dias?

O uso de piscinas e mar é liberado apenas após 30-45 dias, quando os olhos estarão cicatrizados e recuperados da cirurgia de catarata.


Lentes Intra-Oculares

As lentes intra-oculares (LIO) são cristalinos artificiais, implantados no olho durante a cirurgia de catarata para substituir o cristalino opacificado. São diferentes das lentes de contato, que são colocadas sobre a superfície da córnea para correção de miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia.

A qualidade de visão com a lente intra-ocular é muito superior do que com óculos ou lentes de contato. Além de corrigir as deficiências causadas pela catarata, alguns tipos de lente também melhoram a qualidade da visão funcional, ou seja, a capacidade de enxergar em ambientes com pouca luminosidade. A lente intra-ocular pode ser peça única e rígida, peça única e dobrável ou ainda formada por três peças. As dobráveis são consideradas as melhores, porque podem ser introduzidas através de uma mínima incisão.

Existem lentes monofocais e as multifocais, estas são as mais indicadas por permitirem a correção total da visão - tanto para longe, quanto para perto - e são capazes de promover a independência definitiva dos óculos para a maioria dos pacientes. As lentes não-dobráveis são implantadas após a remoção não automatizada do cristalino opaco. Podem requerer suturas para fechamento da incisão, cujo tamanho pode variar de 5 a 7 mm. São pouco utilizadas, pois necessitam de um tempo maior para a recuperação do paciente.

Mais utilizadas, as lentes dobráveis são implantadas após remoção automatizada do cristalino opaco, normalmente não necessitam de suturas, e o tamanho da incisão é de 3,2 a 3,5 mm. Uma incisão menor (facoemulsificação) proporciona: cicatrização mais rápida (recuperação visual mais acelerada), menos trauma ao olho, melhor visão, retorno mais rápido às atividades normais e maior controle do astigmatismo induzido pela cirurgia. Um grande avanço da tecnologia são as lentes de coloração amarela com propriedades filtrantes, que protegem contra os raios UV invisíveis e os raios azuis visíveis. O pigmento amarelo lembra a proteção natural fornecida pelo cristalino humano amadurecido e não altera as cores naturais dos objetos, nem a qualidade da visão e, ainda, ajuda a prevenir outros tipos de doenças oculares como a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI).

Uma lente intra-ocular monofocal padrão utiliza o princípio da refração, ou seja, ela direciona os raios de luz até um ponto focal. Este processo proporciona visão nítida apenas para uma única distância, sendo necessário o uso de lentes corretivas, como óculos, para se ter uma boa visão de perto, intermediária e de longe, simultaneamente. As lentes intra-oculares multifocais proporcionam uma visão de longe e de perto com menor dependência aos óculos após a cirurgia de catarata. Lentes com tecnologia difrativa e refrativa simultâneas, também reduzem fenômenos como glare (manchas brancas na imagem) e halo (anéis luminosos), associados à visão noturna. Há lentes que reduzem de forma significativa a dificuldade de enxergar em ambientes com pouca luminosidade e possibilitam que o paciente volte a realizar tarefas como dirigir ou andar nas ruas à noite.



Cuidados no Pré e Pós-Operatórios para sua segurança

A primeira semana é fundamental para a cicatrização. Os sintomas habituais nas primeiras horas após a cirurgia são: discreta sensação de areia nos olhos, fotofobia (sensação de desconforto à luz), discreto inchaço na pálpebra, discreta vermelhidão conjuntival e pequenas hemorragias sub-conjuntivais Podem surgir hematomas no local da anestesia. As recomendações médicas do pós-operatório devem ser seguidas corretamente pelo paciente para evitar complicações associadas à cirurgia como hemorragias, inflamações e infecções.

Pré-Operatório

Recomenda-se ao paciente alguns cuidados:

  • Se alergias avise seu médico e ao anestesista
  • No dia que antecede a cirurgia usar o colírio antibiótico no olho a ser operado, conforme a receita
  • Se você faz uso regular de algum medicamento comunique seu médico e ao anestesista na consulta pré-anestésica se pode ser usado normalmente na véspera ou no dia da cirurgia
  • Se usar lentes de contato retirar as mesmas 2 dias  antes da cirurgia
  • Não usar nenhuma maquiagem ou creme no rosto no dia da cirurgia
  • Tomar banho, lavar bem a cabeça e rosto
  • É importante estar acompanhado de uma pessoa da família ou responsável ao ir ao hospital.
  • De preferência usar roupas confortáveis e fáceis de serem trocadas ao se dirigir ao hospital
  • Deixar objetos de valor em casa (relógios, brincos, colares, etc....)
  • Trazer documentos ( consentimento informado assinado, autorização para cirurgia quando convênio e exames) para serem entregues no hospital.
  • Não consumir bebida alcoólica nas 24 horas anteriores à cirurgia e permanecer 8 jejum antes da cirurgia, ou conforme orientação do médico
  • Caso seja diabético o uso de insulina deverá ser suspenso no dia da cirurgia e avisar o médico

Pós-Operatório

Depois da cirurgia, alguns cuidados precisam ser observados pelo paciente/e por seu acompanhante:

  • O protetor ocular deverá ser usado nas 10 primeiras noites se paciente ser sentir maior segurança
  • Siga sempre as recomendações médicas
  • Comparecer fielmente às consultas marcadas para acompanhamento do pós-operatório
  • Repouso relativo no primeiro dia
  • Alimentação deverá ser leve no dia da cirurgia. Após o primeiro dia poderá alimentar-se como de costume
  • Lavar as mãos antes de pingar os colírios. Manter os colírios sempre fechados e não encostar o conta gotas nas pálpebras e nos cílios
  • Procure utilizar lenços descartáveis para a limpeza na região do olho operado
  • Pingar os colírios conforme orientação médica
  • Fazer compressas frias de acordo com a orientação médica
  • Não há qualquer tipo de restrição para ler e assistir televisão
  • Atividade física de rotina que não tenha risco de trauma sobre os olhos podem ser realizadas após 3 dias



Evitar:

  • Levantar peso
  • Praia ou piscina por 2 semanas
  • Esportes aquáticos e natação: não praticar por 30 dias
  • Dirigir nos primeiros dias, principalmente a noite ou até que se sinta seguro com a visão normalizada. Halos em volta das luzes são frequentes por 60 dias
  • Realizar movimentos bruscos com a cabeça apoiar-se sobre o olho operado na primeira semana
  • Deitar do lado do olho operado
  • Molhar diretamente o olho por 30 dias. Poderá tomar banho normalmente. Lavar a cabeça com os olhos bem fechados evitando que xampu e água penetrem seus olhos
Em hipótese nenhuma coce ou esfregue o olho operado.
Transplante de Córnea

O que é Transplante de Córnea?

Transplante de Córnea

Transplante de Córnea

Transplante de Córnea

Transplante de Córnea

A córnea é uma estrutura transparente localizada na parte anterior do globo ocular ou seja na frente do olho. Tem como função de permitir que a luz entre no olho para ser focalizada na retina. O Transplante de Córnea é um procedimento cirúrgico no qual uma córnea doente é substituída por outra saudável de um doador. A estrutura da córnea é avascular (não irrigada por vasos sanguíneos) ou seja apresenta um menor risco de rejeição em relação aos outros órgãos.


Em que casos o transplante é recomendado?

O Transplante de córnea é indicado nas seguintes situações:

  • Alterações de sua transparência: (ex. Edema (inchaço), cicatrizes, opacidades ou distrofias)
  • Alterações de sua curvatura: (ex. Ceratocone, irregularidades decorrentes de cicatriz)
  • Causas traumáticas, perfuração com perda de tecido corneano
  • Infecção (ex. Úlcera de Córnea perfurada, edema de córnea (ceratopatia bolhosa), queimaduras químicas ou térmicas
  • Doenças congênitas, quando o paciente já nasce com a lesão de córnea e torna a realização do transplante necessário no primeiro ano de vida para evitar ambliopia

Tipos de transplante de córnea

Transplante penetrante (convencional)

Técnica realizada quando se troca a córnea por inteiro (todas as camadas da córnea) e realiza-se sutura ao redor desta córnea


Transplante de endotélio (DSAEK DMEK)

O objetivo principal desta técnica é evitar a remoção total da córnea, trocando apenas a parte interna (Endotélio e Descemet) que está comprometida. A principal vantagem da técnica está no tempo de recuperação visual, que é muito mais rápido comparativamente com a Ceratoplastia Penetrante, também conhecida como Transplante Penetrante, em torno de 12 meses e o DSAEK/DMEK apenas 01 mês.


Transplante Lamelar de Córnea Anterior Profundo ou Ceratoplastia Lamelar Anterior Profunda ( DALK )

Dr. João Alfredo Dietrich especialista nesta técnica cirúrgica há 30 anos. O Transplante Lamelar Anterior Profundo é realizado, preservando-se a camada interior da córnea – chamada de endotélio. Essa técnica é importante, por diminuir a probabilidade de rejeição e melhorar os resultados quando comparada a técnica cirúrgica tradicional. Somente o estroma corneano é retirado (a parte doente da córnea), mantendo-se a membrana de Descemet e o Endotélio. A técnica conhecida como “Big Bubble”, na qual se separa a membrana de Descemet do Estroma é atualmente a mais utilizada. É um novo método de transplante de córnea para as doenças como: ceratocone anterior, cicatrizes na córnea e distrofias estromais.


Vantagens da técnica DALK

Menor astigmatismo pós-operatório, recuperação mais rápida, breve retorno ao trabalho, ausência de rejeição endotelial. Como consequência prognóstico a longo prazo muito melhor.

Ceratocone tem tratamento


O que é o ceratocone?

Doença não inflamatória da córnea, na qual a baixa rigidez do colágeno corneano permite que a área central ou paracentral assuma forma cônica. A córnea, tornando-se progressivamente mais fina e irregular, provoca a distorção das imagens.


O tratamento do ceratocone pode ser realizado de três formas, dependendo do grau da evolução da doença:
  • Anel de Ferrara ou Anel Corneano - Indicado no estágio moderado do tratamento de ceratocone. Realizado implante cirúrgico de segmentos de anéis estromais na tentativa do aplanamento do ápice da córnea. Esta técnica não é uma cirurgia refrativa, ou seja, o paciente deverá utilizar óculos ou lente de contato após a cirurgia.
  • Crosslinking - O cross-linking é uma técnica para evitar a progressão do ceratocone aumentando as ligações covalentes das fibras colágenas e como consequência aumentando a rigididez da córnea para evitar a sua deformação.Um método que está se mostrando promissor para o tratamento de ceratocone evitando em muitos casos a realização de transplante. Sua principal indicação é para pacientes que apresentam ceratocone com progressão documentada. A associação das técnicas de inserção do segmento de anel e cross-linking podem proporcionar melhor efeito no tratamento das ectasias corneanas
  • Transplante de Córnea - Os casos de Ceratocone que progredirem para onde a correção visual não pode ser mais atingida com óculos e lentes de contato ou quando o afinamento da córnea se torna excessivo ou ainda em casos onde existam cicatrizes de Córnea (por Hidrópsia, Infecções).o Transplante de Córnea se torna necessário.
Descolamento de Retina
O que é um descolamento de retina?

Descolamento de retina é uma doença na qual ocorre uma separação entre as camadas da retina causada pela passagem de líquido para o espaço sub retiniano.

Como se percebe?

O descolamento de retina pode causar diminuição súbita na visão, percepção de sombra na frente dos olhos, de pontos pretos e de flashes luminosos.

Tratamento do descolamento de retina:

O tratamento do descolamento de retina envolve o reposicionamento da retina ao local de origem. Para isso, existem alguns procedimentos como laser, crioterapia, retinopexia com introflexão escleral, retinopexia pneumática e vitrectomia. Cada procedimento tem indicação específica e cabe ao oftalmologista decidir qual o tratamento ideal para cada caso. Alguns casos podem ser acompanhados apenas clinicamente até a resolução.

Cirurgia de Estrabismo

O tratamento do estrabismo envolve cirurgias em músculos oculares externos para reposicionar o globo ocular, corrigindo um desalinhamento e, quando possível, restaurando a visão binocular. Envolve enfraquecimento da força muscular, aumento da força muscular e realinhamento da ação do músculo. Essas cirurgias muitas vezes podem ser realizadas com anestesia local.

Tipos de cirurgias oculares para estrabismo:
  • Enfraquecimento dos músculos Cirurgias que causam diminuição da ação muscular. Podem ser feitos recuos da posição original do músculo, ressecção de uma parte dele ou mesmo suturas.
  • Reforço dos músculos Cirurgias que, em vez de enfraquecer, aumentam a força muscular. Podem ser feitos: ressecções do comprimento do músculo, reposicionamento anterior da inserção e pregueamento do tendão muscular.
Recuperação e pós-operatório:

A recuperação da cirurgia de estrabismo é simples, mas demanda alguns cuidados: o primeiro curativo deve ser mantido por 24 horas. Após remover, deve-se pingar colírio de corticóide e antibiótico por uma semana a 15 dias e analgésicos para dor. Lacrimejamento, irritação, ardência, sensação de corpo estranho são normais na primeira semana. Em geral o olho reassume seu aspecto normal ao final da segunda semana de pós-operatório.

Cirurgia de Glaucoma

Trata-se de uma cirurgia dos olhos que tem como objetivo a drenagem e a diminuição da pressão intra-ocular (principal sintoma do glaucoma), evitando assim lesões graves ao nervo óptico.

Também temos, em alguns casos, a necessidade de implantes de tubos de drenagem para acelerar o processo de perda ou diminuição da pressão intra-ocular.

A cirurgia de glaucoma é indicada para pacientes nos quais o tratamento clínico com colírios não é o suficiente para controlar o aumento da pressão intra-ocular e reter a evolução do glaucoma, sendo necessário o procedimento cirúrgico. A cirurgia de glaucoma pode ser realizada a laser, chamada de trabeculoplastia, que é a técnica mais utilizada no momento, que traz poucos efeitos colaterais e efeitos adversos para o paciente submetido a este tratamento de glaucoma. Nesta cirurgia a laser é feita a drenagem do fluido para fora do olho, sendo que alguns pacientes precisam continuar tomando medicamentos depois do procedimento para efetivar resultados.

Existe também a trabeculectomia, que é uma intervenção cirúrgica convencional, onde é realizado um dreno no olho para diminuir a pressão intra-ocular, este tipo de tratamento é necessário o uso de anestesia local e relaxante para diminuir o desconforto do procedimento.

Cirurgia Refrativa

Uma das cirurgias dos olhos mais conhecidas é a Cirurgia Refrativa. É um procedimento considerado simples, que dispensa a necessidade de internação pois é feita através de um equipamento chamado Excimer Laser que utiliza uma luz ultravioleta para remodelar suavemente a superfície da córnea e modificando sua curvatura para corrigir os erros refrativos, como a Miopia, a Hipermetropia, o Astigmatismo e a Presbiopia.

Cirurgia Refrativa Customizada

O Laser Customizado é uma nova tecnologia desenvolvida para as cirurgias refrativas. Criada a partir do sistema de comprimento de ondas ou "Wave-Front", permite um tratamento mais preciso e personalizado para cada olho. Diferente da cirurgia refrativa convencional, que lapida a córnea, a customizada varre pequenas imperfeições de sua superfície, chamadas de aberrações.